Deadpool 2 – Inferior ao primeiro, mas ainda muito bom!

O primeiro filme do Deadpool mexeu bastante com a indústria de super-heróis, principalmente no aspecto de filmes com censura 18 anos e que mesmo assim faturam muito. O filme era divertidíssimo e agradava até mesmo àqueles que não são grandes fãs do personagem nos quadrinhos (como é o meu caso). Deadpool 2 não supera o primeiro filme, mas mesmo assim é um filme divertidíssimo e que merece ser visto no cinema.

Antes de comentar mais profundamente sobre o filme, aqui vai uma breve sinopse: Quando o super soldado Cable (Josh Brolin) chega em uma missão para assassinar o jovem mutante Russel (Julian Dennison), o mercenário Deadpool (Ryan Reynolds) precisa aprender o que é ser herói de verdade para salvá-lo. Para isso, ele recruta seu velho amigo Colossus e forma o novo grupo X-Force, sempre com o apoio do fiel escudeiro Dopinder (Karan Soni).

O filme, assim como seu antecessor, busca entreter o público misturando boas cenas de ação com um humor bastante escrachado, fazendo piada com tudo: A franquia X-Men, os filmes da DC, o Universo cinematográfico da Marvel, alguns filmes B entre outras coisas. A maioria das piadas funciona muito bem, mas algumas vezes o filme erra ao esticá-las muito, causando certo cansaço no expectador. Pode até ter sido intencional, mas isso mata um pouco o ritmo do filme.

A relação entre o protagonista e Vanessa, sua namorada interpretada por Morena Baccarin, possui momentos super dramáticos que não condizem com o clima do resto do filme. É como se houvesse um filme dentro de outro, com cenas que fogem do estilo do filme e que também acabam prejudicando um pouco de seu ritmo. Dessa vez os roteiristas erraram a mão neste relacionamento, que tinha ficado bem legal no filme anterior.

Sobre os atores, Ryan Reynolds nasceu para interpretar Deadpool, com seu jeito irreverente e carismático. Com certeza muitas das piadas foram ideia dele, já que ele também é um dos roteiristas. Josh Brolin manda bem na figura do carrancudo Cable e é muito legal ver um ator deste nível tendo grande destaque atualmente (lembrando que ele também interpretou o Thanos, inclusive isso também vira piada no filme). Zazie Beetz interpreta de maneira carismática a personagem Dominó e com certeza é o maior destaque entre os coadjuvantes. Suas cenas de ação estão entre as melhores do filme, muito porquê são muito bem pensadas ao mostrar seu poder relacionado à sorte. Quanto às outras atuações, elas são competentes, mas nada que mereça muito destaque.

Como mencionei algumas vezes, as cenas de ação são muito boas e isso se deve ao trabalho do diretor David Leitch, que já dirigiu filmes de ação muito aclamados como John Wick e Atômica. Suas cenas são bastante fluídas e que empolgam o expectador, utilizando muito bem os poderes dos personagens para construí-las. Infelizmente ele derrapa na utilização do CGI as vezes, que fica bastante evidente em algumas cenas.

Deadpool 2 é visivelmente um filme com mais orçamento que o antecessor, com mais cenas de ação, mais personagens e mais possibilidades de trama. Talvez pela expectativa gerada e pela ideia de “quanto mais melhor” o filme decepcione um pouco, mesmo ainda sendo bastante divertido. Se você quer dar boas risadas e se divertir durante algumas horas, a ida ao cinema é indispensável. Ah e espere para ver a cena pós-créditos, definitivamente uma das melhores já feitas quando falamos de filmes de super-heróis.

Nota: 7,5/10

Ficha Técnica

Duração: 120 minutos
Estúdio: 20th Century Fox
Direção: 
David Leitch
Roteiro: Rhett Reese e Paul Wernick
Elenco: Ryan Reynolds, Morena Baccarin, T.J. Miller, Leslie Uggams, Brianna Hildebrand, Stefan Kapicic, Zazie Beetz, Josh Brolin, Jack Kesy, Terry Crews

VOCÊ TAMBÉM PODE GOSTAR:

The following two tabs change content below.

Lucas Araújo

Programador, estudante de TI e co-fundador do Justiça Geek. Fanático por quadrinhos, aficionado por filmes e séries, leitor faminto, gamer esporádico e músico (muito) frustrado. Gosta de falar sobre tudo isso em seu tempo livre(ou até mesmo quando não está tão livre...), debatendo questões essenciais para a humanidade como quem vence um crossover entre super- heróis, qual é seu escritor favorito e se um filme foi bem feito.