Recomendação da Semana – Black Hammer

Bem-vindos a mais uma Recomendação da Semana, a coluna na qual recomendamos livros, HQs, filmes, séries e álbuns que achamos interessantes. Hoje a indicação é uma bela carta de amor aos super-heróis em forma de quadrinho, ao mesmo tempo em que remete aos trabalhos independentes de seu autor ao apresentar temas relativos à convivência familiar. A indicação de hoje é Black Hammer, quadrinho escrito por Jeff Lemire e desenhado por Dean Ormston, com cores de Dave Stewart.

Se você é um leitor de quadrinhos há algum tempo, com certeza já deve ter ouvido o nome de Jeff Lemire. Eu mesmo já comentei sobre dois de seus trabalhos, o excelente Soldador Subaquático e o irregular Arqueiro Verde, e é notável que diversos trabalhos do autor estão sendo publicados por aqui ultimamente. Tendo sido indicado e recebido alguns prêmios nos últimos anos, inclusive o Eisner de melhor nova série justamente por Black Hammer, Lemire tem se firmado como um dos escritores mais relevantes atualmente na indústria de quadrinhos.

A sinopse do quadrinho é simples, porém intrigante: os autores exploram percalços na vida de heróis em decadência. No passado, eles salvaram o mundo, mas agora levam vidas medíocres em uma cidade rural fora dos limites do tempo. Não há como fugir, mas Abraham Slam, Menina de Ouro, Coronel Weird, Madame Libélula e Barbalien tentam empregar suas habilidades extraordinárias para se libertar desse incomum purgatório. Obrigados a disfarçar seus poderes, sua natureza e suas origens aos olhos dos habitantes locais, eles personificam uma típica família disfuncional, tentando criar para si uma vida normal.

Lemire, como mencionei antes, é hábil em misturar uma homenagem aos super-heróis com uma história de cunho mais intimista. É impossível não ver a influência do Capitão América na figura de Abraham Slam, do Shazam na Menina de Ouro, de Adam Strange no Coronel Weird, Ravena na Madame Libélula e do Ajax (Caçador de Marte não trabalhamos xD) no Barbalien. Também é interessantíssimo em como ele usa elementos dos heróis originais, assim como as ferramentas narrativas usadas na época de suas criações, para contar a origem dos novos personagens, desde utilizar os diálogos redundantes até homenagear as clássicas histórias de terror que eram publicadas em revistas como Creepy e House of Mistery. Ao mesmo tempo, ele constrói uma história sobre família, conflitos, desespero. Lemire definitivamente acerta em cheio no roteiro.

Sobre a arte, a escolha de Dean Ormstron foi muito certeira. Seu traço lembra muito o de Mike Mignola e com isso ele consegue passar todo o estranhamento necessário para a situação pela qual os personagens estão passando. Ele varia sua narrativa de acordo com o período temporal no qual a história está se passando e faz transições muito suaves entre passado e presente, lembrando bastante o recurso que Alan Moore utilizou em diversas obras como Piada Mortal e Watchmen. As cores de Dave Stewart, vencedor diversas vezes do Eisners (o Oscar dos quadrinhos) na categoria de melhor colorista, são a cereja do bolo, também mudando de acordo com o período temporal e sendo bastante sombrias quando necessário.

A editora Intrínseca fez um trabalho muito competente na publicação nacional, que reúne seis edições da série. Em capa cartão, o que torna o preço mais acessível, papel de excelente qualidade e extras muito bons que ajudam a contextualizar a criação dessa história. Aliás, é nesses extras que ficamos sabendo que Dean teve um derrame durante a publicação do quadrinho, mas que ele já está recuperado e isso nem é perceptível em seu trabalho e, além disso, em como seria a história se Lemire a tivesse desenhado (com certeza seria bastante diferente). Espero que a Intrínseca, que já havia publicado a adaptação de Deuses Americanos em quadrinhos, se aventure cada vez mais neste mercado.

Black Hammer já teve treze edições lançadas pela Dark Horse nos EUA, além de quatro séries Spin Off que, pelo que pesquisei, contam histórias do período em que os heróis ainda estavam na ativa e me pareceram bastante interessantes. Espero que este primeiro volume obtenha um bom índice de vendas e incentive a editora a publicar todo este material por aqui.

Se você gosta de super-heróis e quer experimentar algo de novo feito com esse tipo de personagem, Black Hammer é um prato cheio. Você ficará preso na história, apegando-se aos personagens e ficando ansioso para ver sua continuação. Jeff Lemire definitivamente entrou na minha lista de autores que merecem atenção a cada novo trabalho publicado.

Para comprar esse quadrinho clique AQUI. Ao comprar pelos nossos links você nos ajuda a continuar trazendo Justiça pra Cultura Pop! Ah, e sempre tem um desconto bem legal 😉

Ficha Técnica

Editora : Intrínseca
Ano de lançamento: 2018
Páginas: 184 páginas
Preço: R$39,90
Onde encontrar: Livrarias e lojas especializadas

VOCÊ TAMBÉM PODE GOSTAR:

The following two tabs change content below.

Lucas Araújo

Programador, estudante de TI e co-fundador do Justiça Geek. Fanático por quadrinhos, aficionado por filmes e séries, leitor faminto, gamer esporádico e músico (muito) frustrado. Gosta de falar sobre tudo isso em seu tempo livre(ou até mesmo quando não está tão livre...), debatendo questões essenciais para a humanidade como quem vence um crossover entre super- heróis, qual é seu escritor favorito e se um filme foi bem feito.