Recomendação da Semana – Chico Bento – Arvorada

Bem-vindos a mais uma Recomendação da Semana, a coluna na qual recomendamos livros, HQs, filmes, séries e álbuns que achamos interessantes. E hoje falarei sobre uma excelente HQ nacional, fruto de uma das iniciativas editoriais mais interessantes que já surgiu no Brasil. A recomendação dessa semana é Chico Bento – Arvorada, escrita e desenhada por Orlandeli.

Eu já comentei sobre as Graphic MSP em textos anteriores, mas se você não conhece, esta iniciativa é comandada pelo editor Sidney Gusman (que você deve conhecer pelo trabalho no Universo HQ, na editora Globo, na Conrad e em muitos outros) e tem como foco apresentar histórias mais adultas com as criações de Maurício de Sousa, sempre com autoria de grandes nomes do quadrinho nacional. Para contar esta história do Chico Bento o escolhido foi Orlandeli, cartunista e quadrinista do interior de São Paulo.

Orlandeli é conhecido por seus trabalhos em publicações como as revistas Época, Mundo Estranho e Superinteressante, mas também obras como SIC, coletânea de tiras publicadas pela Conrad e também pela Sesi editora. Aqui Orlandeli procura nos mostrar Chico aprendendo uma das lições mais importantes da vida e, além disso, fazer com que aprendemos junto com o protagonista.

Em Arvorada acompanhamos uma situação de Chico Bento junto à sua amável avó, Vó Dita, na qual ele aprenderá a valorizar os momentos especiais da vida, por mais simples que eles sejam. Parece uma lição óbvia, que todo mundo conhece, mas as pessoas tendem a esquecer e ignorar diante às tensões do dia a dia.

É fato conhecido, além de expresso no prefácio da obra pelo próprio criador do personagem, que Mauricio de Sousa também é um caipira e que colocou muito de sua própria vida na figura do Chico. A própria Vó Dita é baseada na avó de Mauricio. O fato de Orlandeli também ter nascido e vivido no interior foi muito importante para que ele construísse essa história, inserindo tanto uma ambientação convincente quanto a sabedoria tão característica neste lugar em seus personagens.

A arte nesta HQ é espetacular, com belíssimas cores e momentos que exigem apenas contemplação por parte do leitor. O traço do protagonista, meio desalinhado, traz para o personagem uma inocência característica que contrasta com a postura mais sábia dos adultos. A narrativa também é espetacular, com momentos em que objetos do cenário montam os quadros ou interligam cenas. É um trabalho muito primoroso.

A história é de uma sensibilidade impressionante. Você termina a leitura refletindo o que foi dito e inevitavelmente emocionado, principalmente se você tem ou já teve uma figura como a Vó Dita em sua vida, seja não só na figura de avó, mas também como na de mãe ou de tia. Como este é o meu caso, confesso que ao virar a última página é impossível que você não derrame uma lágrima ou duas.

Como eu mencionei antes, as pessoas tendem a esquecer a lição que a HQ apresenta, por mais que ela seja repetida muitas vezes em nossas vidas. Sempre prometemos não esquecer, mas a correria e tensões do dia a dia nos fazem ignorar este aprendizado. Mas depois de ler Arvorada, tentarei de verdade me apegar a esta lição, aproveitar os momentos especiais da vida, desde estar com quem você gosta vendo uma bela folhagem de Ypês, apreciando um pôr do Sol ou simplesmente falando sobre coisas banais e dando boas risadas. Obrigado Orlandeli por me reapresentar este aprendizado, obrigado Mauricio por ter criado este belo personagem e obrigado Sidney por ter permitido que histórias como esta chegassem ao público.

Já leu este quadrinho? O que achou? Deixe sua opinião aí nos comentários. A nossa coluna de recomendações volta semana que vem.

Ficha Técnica

Editora : Panini
Ano de lançamento: 2017
Páginas: 100 páginas
Preço: R$36,90 (capa dura) e R$ 26,90 (capa cartonada)
Onde encontrar: Bancas, livrarias e lojas especializadas

VOCÊ TAMBÉM PODE GOSTAR:

The following two tabs change content below.

Lucas Araújo

Programador, estudante de TI e co-fundador do Justiça Geek. Fanático por quadrinhos, aficionado por filmes e séries, leitor faminto, gamer esporádico e músico (muito) frustrado. Gosta de falar sobre tudo isso em seu tempo livre(ou até mesmo quando não está tão livre...), debatendo questões essenciais para a humanidade como quem vence um crossover entre super- heróis, qual é seu escritor favorito e se um filme foi bem feito.