Recomendação da Semana – Drácula

Bem-vindos a mais uma Recomendação da Semana, a coluna na qual recomendamos livros, HQs, filmes, séries e álbuns que achamos interessantes. A recomendação de hoje é uma adaptação em quadrinhos de uma das histórias seminais do gênero terror, uma referência essencial quando falamos sobre vampiros. A recomendação de hoje é Drácula, quadrinho escrito por Roy Thomas e desenhado por Mike Mignola.

Você deve conhecer o livro de Bram Stoker sobre o Conde da Transilvânia que se torna um vampiro após renegar Deus pela perda de seu grande amor. Seja por sua narrativa diferenciada, seja pela criação de uma das lendas mais conhecidas da história da humanidade, este livro é um dos pilares do terror na literatura, junto com Frankstein de Mary Shelley e O Médico E O Monstro de Robert Louis Stevenson. Este é um dos meus livros favoritos e um dos responsáveis pelo meu amor pela literatura, definitivamente.

Essa magnífica história foi adaptada para os cinemas em 1992 por Francis Ford Coppola, um dos grandes mestres do cinema, sendo conhecido principalmente por ter dirigido a trilogia O Poderoso Chefão (a maior obra da história do cinema na opinião deste que vos fala). Estrelando Gary Oldman (Drácula), Anthony Hopkins (Van Helsing), Keanu Reeves (Jonathan Harker) e Winona Ryder (Mina Harker), o filme é relativamente fiel ao livro e, mesmo com alguns problemas, merece ser assistido por aqueles que são fãs da história ou que apenas querem apreciar as refinadas habilidades de Coppola.

O quadrinho alvo desta recomendação é uma adaptação do filme, não do livro. Eu sempre considerei adaptações de filmes em quadrinhos obras completamente redundantes e descartáveis, uma espécie de caça-níquel com o objetivo de arrecadar ainda mais dinheiro com a obra cinematográfica. Este definitivamente não é o caso deste trabalho, em que ao mesmo tempo que Mignola mantém fidelidade com relação ao filme, também apresenta um trabalho com identidade própria.

Mesmo com roteiros de Roy Thomas, um gigante da indústria de quadrinhos norte-americana, o verdadeiro destaque deste trabalho é a arte do criador do Hellboy, como admitido pelo próprio Thomas em entrevistas, que atuou mais como um organizador de ideias do que roteirista de fato neste quadrinho. Mignola respeita bastante o trabalho de Coppola com relação à narrativa da história, mas seu traço em preto e branco deixa tudo ainda mais sombrio e desesperador, tonando a história ainda mais espetacular. Como revelou em entrevistas, Mignola é um grande fã do livro e se esforçou ao máximo ao trabalhar nessa adaptação da história, que ganhou certa fama nos EUA por ser seu último trabalho antes de focar apenas em Hellboy e por ter ficado por quase vinte e cinco anos fora de catálogo.

A edição da editora Mino merece todos os elogios possíveis. Em capa dura, papel de ótima qualidade e formato grande, o quadrinho se destaca ao lado de qualquer outra publicação comum. Além do aspecto físico, a tradução e revisão estão ótimas, além de também trazer uma interessante galeria de extras, na qual podemos ver como eram as páginas no traço a lápis de Mignola antes da arte final, o que ressalta ainda mais o talento do artista. A editora merece os parabéns por ter trazido esta obra para os leitores brasileiros.

Drácula é indispensável para qualquer fã da história do vampiro mais conhecido do mundo ou para fãs de terror em geral. Embarque nesta viagem para a Transilvânia, garanto que não irá se arrepender.

Para comprar esse quadrinho clique AQUI. Ao comprar pelos nossos links você nos ajuda a continuar trazendo Justiça pra Cultura Pop! Ah e sempre tem um desconto bem legal 😉

Ficha técnica

Editora :  Mino
Ano de lançamento: 2018
Páginas: 136
Preço: R$ 84,90

VOCÊ TAMBÉM PODE GOSTAR:

The following two tabs change content below.

Lucas Araújo

Programador, estudante de TI e co-fundador do Justiça Geek. Fanático por quadrinhos, aficionado por filmes e séries, leitor faminto, gamer esporádico e músico (muito) frustrado. Gosta de falar sobre tudo isso em seu tempo livre(ou até mesmo quando não está tão livre...), debatendo questões essenciais para a humanidade como quem vence um crossover entre super- heróis, qual é seu escritor favorito e se um filme foi bem feito.