Shade, O Homem Mutável: O Grito Americano- Qual o limite da loucura?

Loucura pode ser definida como sentimento ou sensação que foge ao controle da razão. Não há limites para a loucura e suas consequências no que diz respeito à percepção da realidade. O que você pensaria de um personagem que consegue usar a loucura a seu favor, como uma espécie de super poder, e assim suas histórias não possuem limites de possibilidades narrativas? Shade, o Homem Mutável, é um personagem que se encaixa perfeitamente nesta descrição.

Shade é criação de Steve Ditko (você deve conhecê-lo como co-criador do Homem-Aranha e criador do Doutor Estranho) e surgiu nas HQs em 1977. Em sua versão original Rac Shade era um agente do planeta Meta, acusado injustamente de traição e condenado à morte. Ele rouba um traje que permite que ele voe, crie um campo que o protege e também projete imagens distorcidas que variam de acordo com seu estado mental, e então foge para a terra.

A fase recentemente lançada pela Panini, e que é objeto desta resenha, é um dos símbolos menos falados da Invasão Britânica nos quadrinhos. Se você não conhece, essa “Invasão”, que ocorreu durante os anos 80 e 90, consistia em autores ingleses sendo chamados para, muitas vezes, reestruturar revistas de personagens que eram pouco conhecidos e estavam no limbo. Alan Moore assumiu a revista do Monstro do Pântano, Neil Gaiman reimaginou o Sandman, Grant Morrison brincou com a metalinguagem em Homem-Animal e, em 1990, Peter Milligan foi chamado para escrever a revista de Shade, O Homem mutável. Estas revistas deram origem ao que mais tarde se tornaria o selo Vertigo da DC.

A série escrita por Peter Milligan durou até a edição 70 e esse encadernado, que possui o subtítulo O Grito Americano, reúne as 6 primeiras. Bem, e qual é a história contada aqui? A jovem Kathy tem seus pais e seu namorado assassinados de maneira extremamente violenta por um assassino serial chamado Troy Grenzer. Troy é condenado à pena de morte na cadeira elétrica, porém, quando está prestes a ser executado, ele é possuído pela consciência de Shade. Nesta versão, Shade é um ser da dimensão Meta, que tem como missão na terra evitar que a loucura tome conta da América e transborde da Zona da Loucura, enquanto seu verdadeiro corpo e seu traje L (Traje Loucura, com poderes de distorção da realidade) estão na tal zona da Loucura.

Você já percebeu que tem muita loucura nesta série né haha? Mas não se assuste. Eu particularmente não gosto de HQs muito viajadas, mas aqui Peter Miligan usa toda a loucura e surrealismo para criar um subtexto interessantíssimo, no qual faz críticas à sociedade Americana e suas convicções (infelizmente o trocadilho entre American Scream e American Dream se perde na tradução). Ao estabelecer que a loucura está assolando os EUA, não há limites para o que pode acontecer na história.

É muito interessante ver o clima de “road movie” na HQ, com Kathy e Shade viajando por vários lugares dos EUA e tentando evitar que a loucura devaste o país. Milligan levanta questões sobre o assassinato de JFK, teorias da conspiração e a podridão em Holywood, em um arco que tem diversas referências à filmes famosos e que brinca de maneira genial com a narrativa cinematográfica. Coisa de quem realmente sabe o que está fazendo.

Chris Bachalo se sai muito bem na arte, conseguindo transmitir todo o surrealismo e lisergia que a obra demanda. É interessante vê-lo em início de carreira, em estado mais bruto e um pouco diferente de seus trabalhos posteriores em Sandman e Homem-Aranha.

A Panini merece elogios por trazer um material tão diferente e interessante ao Brasil, mas há um ponto passível de crítica na publicação deste material: a escolha do papel jornal. Assim como foi com Monstro do Pântano de Alan Moore, Shade não vem com papel de qualidade. A justificativa é de que as cores ficam melhor neste tipo de papel, mas materiais da mesma época, como Homem-Animal de Grant Morrison, foram publicados em papel LWC e de maneira nenhuma perderam qualidade de impressão. Mesmo assim, este não é um fator que impede que você adquira este encadernado.

Shade, O Homem Mutável – O Grito Americano pode ser louco, pode te deixar perdido, com a sensação de não estar entendendo nada, mas vai te fazer pensar em várias coisas, de modo que você refletirá sobre o que em nossa realidade inspirou tanta loucura. A resposta pode ser assustadora, mas este é apenas o começo.

Editora : Panini
Ano de lançamento:2016(originalmente publicado em 1990)
Páginas:172
Preço:R$23,90
Onde encontrar:Bancas de jornal e lojas especializadas

VOCÊ TAMBÉM PODE GOSTAR:

The following two tabs change content below.

Lucas Araújo

Programador, estudante de TI e co-fundador do Justiça Geek. Fanático por quadrinhos, aficionado por filmes e séries, leitor faminto, gamer esporádico e músico (muito) frustrado. Gosta de falar sobre tudo isso em seu tempo livre(ou até mesmo quando não está tão livre...), debatendo questões essenciais para a humanidade como quem vence um crossover entre super- heróis, qual é seu escritor favorito e se um filme foi bem feito.